O lado oculto do Cabo Lan

  Fala pessoal, hoje iremos falar sobre cabos LAN, mas não o que todos conhecem, mas o que deveriam, mas não conhecem.

     Antes de tudo, falaremos sobre os cabos LEGÍTIMOS e não os genéricos, ou seja, falaremos dos que são HOMOLOGADOS pela ANATEL, os que são puramente cobres e que seguem todos os requisitos e normas técnicas de uso e de segurança.

     Não comprem independente da aplicação de rede, cabos que não são homologados, você não terá desempenho e nem estabilidade no tráfego de dados, fora que colocará em risco toda a instalação e equipamentos de redes.

    Continuando, você sabe o que é cabo LAN? Ou simplesmente cabo de rede.

     Local Area Network – Rede Local, uma rede para interligar computadores e telefonia utiliza um cabo peculiar, por ter 04 pares de cabo trançado, sendo que cada par tem uma torção diferente, para que um par não interfira no outro por conta dos campos eletromagnéticos e tal, mas não faz parte do assunto de hoje rsrsrs.

     Ok, o real assunto é: O lado oculto dos cabos, as siglas e nomenclaturas que são importantíssimas no ato da compra.

     VOCÊ SABE QUAIS TIPOS DE CABOS TEM DISPONÍVEIS?

     Vamos começar com as Categorias. Abaixo temos uma tabelinha simples que mostra as categorias, frequências, etc.

     Como vimos na tabela, no Brasil atualmente temos 03 categorias disponíveis: CAT 5e, CAT 6 e CAT6A.

     E aquelas letrinhas que ficam junto na nomenclatura geral do cabo: Cabo LAN F/UTP CMX AZ (…) O que são, o que significam?

     Começando pela Blindagem básica dos cabos:

     No ambiente de rede, há várias fontes potenciais de interferência de alta frequência entre 80MHz e 2.0GHz, como rádios, celulares, antenas Wi-Fi, dispositivos bluetooth e emissão/recepção de sinal 3g e 4g, e até mesmo o cintilar das lâmpadas fluorescentes e proximidade com cabos de energia, pode derrubar uma rede.

     As interferências eletromagnéticas (EMI) são assimétricas. Elas afetam de maneira similar em magnitude e fase ambos os condutores do par trançado. Por isso a binagem(torção) do par é vital, pois faz com que o ruído seja parcialmente cancelado, pois invertendo o condutor inverte-se a fase dos campos magnéticos do ruído entre os condutores. (Não, ainda não trataremos desse assunto, essa é só uma explicação básica, para você poder entender sobre blindagem rsrsrs). Para taxas de transmissão mais baixas 1Gbps, basta a simetria do par trançado para garantir bom cancelamento do ruído.

     Porém mesmo assim há EMI restantes vindas de fora, e para isolar eletromagneticamente os pares de serem influenciados é aplicar uma barreira metálica ao redor deles.

     Então vamos às nomenclaturas e o que elas significam.

     As normas ANATEL definem as blindagens possíveis de acordo com a ISO/IEC 11801, usando as siglas abaixo:

U (Unshielded): Sem blindagem

F (Foil): Fita plástica aluminizada

S (Screened): Malha de fios metálicos (cobre, alumínio, etc), outro tipo de blindagem.

     A Blindagem pode ser Global (todos os pares) ou Individual(Par a Par), sendo nomeada X/Y, onde X é a blindagem Global e Y a blindagem Individual, conforme exemplos abaixo:

U/UTP: Sem blindagem nenhuma, o mais comum pois não há blindagem.

F/UTP: Blindagem global e sem blindagem individual o mais comum entre os blindados.

S/FTP: Global com malha e blindagem nos pares.

F/FTP: Blindagem Global e nos pares.

     Existem todos os tipos de combinações, alguns tipos mais comuns (como os dois primeiros exemplos), e alguns outros somente sob encomenda.

     Aí você se pergunta: Ok, mas qual eu devo usar?

     Por isso nós da ATT Tendências Tecnológicas estamos aqui, pois para cada aplicação precisa de um cabo específico. Entre em contato conosco para fazer uma consulta sem compromisso. =)

     Mas continuando, iremos falar sobre as CAPAS dos cabos e porque devemos dar bastante importância para elas?

     Todo cabo para cuja instalação seja interna, precisa ter proteção contra propagação de chama. Usualmente isso é feito pela capa externa, em geral feita de materiais que, frente à chama, criam barreira mineral contra o calor e/ou liberam moléculas não-comburentes ao redor. Os dois materiais mais utilizados são o PVC e os materiais LSZH(não-halogenados). Para cada ambiente ou forma de instalação, as normas apontam qual grau de proteção deve ser usado.

     Ou seja, todos os cabos homologados pela ANATEL não propagam chamas, alguns de nível baixo, outros de nível mais alto. E seguindo as normas, para cada lugar que for instalado, você tem um tipo de capa específica para ser usada.

     A norma que rege a proteção frente à chama em cabos internos é a NBR 14705, chamada pela norma de cabos de rede NBR 14703. Ela define “famílias” de proteção.

     Mas quais capas são? Veja abaixo:

     CMX – é a proteção mais simples contra chama, para uso Horizontal; o cabo é testado com chama simples (bico de Bunsen), portanto não é permitido para uso em feixes.(Cabo agrupado em dois ou mais).

     CM – para uso horizontal, é testado em feixes em um queimador por 20min. Classe mínima para cabeamento estruturado. Pode ser usado em vertical até 1 pé direito (distância entre o piso e o teto, altura de um andar, em geral 2,9m).

     CMR – cabo Riser, é indicado para uso vertical onde é necessário subir mais de um andar, também é testado e permite o uso em feixes.

     CMP – cabo Plenum, é indicado em situações em pisos elevados e afins, onde haja fluxo de ar forçado. É o teste mais exigente de queima, conforme norma americana.

     LSZH – todas as famílias anteriores são feitos com capa em PVC, que é um material prático, barato e flexível para aditivar. Porém ao ser queimado, o PVC libera muita fumaça e nesta há Cloro, que é altamente tóxico ao ser humano. Cabos CMP muitas vezes usam fluorpolímeros, que contém Flúor na fórmula, altamente corrosivo. Em ambientes densamente ocupados (faculdades, hospitais, metrô, etc) tais características são indesejáveis, e a norma NBR 14705 exige cabos com capa LSZH (Low Smoke Zero Halogen) cuja base é o EVA (Ethyl Vinyl Acetate), material livre de cloro e outros halogênios, e gerador de uma fumaça ínfima e praticamente transparente. Os cabos LSZH possuem a mesma proteção contra chama que os cabos CM.

     Proteção responsável – os materiais LSZH usam materiais como Alumina Tri-hidratada (ATH) ou Magnésio Di-hidratada (MDH), que começam a se degenerar apenas acima dos 200°C, e ao reagir com a chama, libera moléculas de água, que também absorvem calor e atrapalham a combustão, sendo inofensivas ao meio ambiente e sem gerar fumaça densa, permitindo rápida evacuação e total capacidade de respiração em caso de incêndio.

     Bom, esse texto deu para mostrar o lado oculto dos cabos né, as siglas e nomenclaturas que muita gente e provavelmente você também não sabia o que eram e o que significavam.

     Há outras siglas ainda do cabo como a AZ, BR, PR, VD, VM, CZ, que nada mais são as cores das capas dos cabos. AWG que são as bitolas (espessura) dos cabos de cada par. Não precisamos entrar nesse assunto sobre espessura, porque você ao comprar cabo LAN, não tem livre escolha sobre a espessura, e não há diferentes espessuras para os cabos, todas as categorias já tem sua espessura.

     Esse texto que ao mesmo tempo em que é difícil e complicado comprar um cabo LAN, sabendo as siglas e nomenclaturas ficam simples e fácil.

Gostou? Compartilhe!


Você também vai gostar de: